Creative Commons License
Copyright Alexandra Carvalho - O "Bazar dos Ronrons" é uma marca registada de Alexandra Carvalho, de quem derivam todos os direitos de autor da mesma. A cópia ou plágio de elementos do presente trabalho incorre em infracção legal.

22/11/2009

Mini... Em Memória








A Mini foi resgatada do Canil/Gatil Municipal de Lisboa a 24/07/09, juntamente com 2 outros gatos da colónia de rua onde ela nasceu e vivia (muito possivelmente, com o susto da perseguição, acabou por se desorientar, perdendo-se dos seus irmãos e da sua mãe).
Foram salvos numa verdadeira luta contra o tempo, já quase em cima do prazo para o seu abate.

Nessa altura, a Mini tinha cerca de 2 meses e, durante a clausura no Canil/Gatil, encontrou amparo na jovem gata preta e branca, Luna (que fora recentemente mãe e também perdera os seus filhotes).

De início, esta gatinha de pêlo comprido fartava-se de bufar, aninhando-se sempre perto de Luna, em busca de protecção.
Com o passar dos dias, Mini começou a revelar-se mais dócil, acedendo a todos os tratamentos; mas não compreendendo ainda lá muito bem o que deveria fazer quando se lhe colocava um comprimido na boca (e permanecendo com ela bem aberta).

É, de facto, impressionante a capacidade de regeneração dos animais, após terem sido submetidos a algum tipo de tortura...
Um mês após o seu resgate, Mini já aprendera a brincar e confiava no ser humano.

Por vezes, Mini permanecia longos momentos aninhada na sua caminha, com um olhar extremamente contemplativo, o que nos levava a pensar no longo futuro que ainda teria pela frente e em como gostaríamos que encontrasse um lar onde fosse feliz e tivesse muito amor e carinho.

Infelizmente, quis o destino que a "nossa" Mini não vivesse mais do que apenas 6 meses (demasiado curto prazo de vida para um ser tão singelo, que já passara pelas piores provações!)!...

No dia 09/11/09, foi levada ao veterinário, porque nos parecia um pouco mais magrinha do que era habitual (Mini nunca foi uma gata gorda e era demasiado pequena para a sua idade) e, por vezes, não comia em condições (mas de resto, o seu estado geral continuava normal). Foi examinada e recolhido sangue para se fazerem análises, de modo a verificar o que a pequerrucha teria.

Mini viria a falecer na madrugada de 10/11/09, sem que ninguém previsse ou sequer esperasse tal desfecho.

Mini viveu apenas 6 curtos meses (prazo de vida demasiado injusto e atroz!)... Mas teve amor e carinho, e faleceu na sua caminha acompanhada por um dos gatos de casa da Cecília (e não nas ruas onde nascera).

Nos últimos momentos, quisemos preservar a sua dignidade e respeitar o tempo que connosco viveu, pelo que não a entregámos para incineração no local onde tanto mal sofrera, tendo antes utilizado os serviços da "Funerária Animal" (que trabalha com a Fundação São Francisco de Assis).







5 comentários:

Rodrigues disse...

Lamento muito, Xana... Então era esta a gatinha que estava mal... Perguntei-te há dias, mas nunca respondeste. Não insisti porque quis respeitar.
O que teve ela, afinal? :( Foi tão súbito...
Viveu os últimos meses feliz e quentinha (e assim morreu, também).

Um abraço

Fauna Urbana disse...

Oh Xana, então era a Mini que se encontrava doente... Lamento imenso. :(

Acabaste por não dizer do que faleceu. Eu sei que é muito difícil, e compreendo que sejas mais reservada e necessites do teu espaço nesta altura - ao contrário de mim, que para fazer o luto necessito de comunicar e explanar os meus sentimentos...
Não há palavras que modifiquem a dor que sentimos quando um dos nossos miúdos parte, mas a Mini teve a felicidade de ser muito amada, ter um lar e quem por ela lutasse.
Só o facto de escreveres este texto e sentires a sua falta significa que a sua breve passagem por este mundo não foi em vão, e que será para sempre recordada com muita saudade.

Desejo-te toda a força do mundo neste momento difícil, e sabes que se necessitares de falar ou de qualquer coisa, estou à distãncia de um mail ou chamada.

Um grande beijo. xxx

Alexa disse...

Rosa: muito obrigada, Amiga!
Quando a levámos para fazer as análises, o Vet. suspeitou de PIF. Mas a Mini não estava prostrada e tinha muita reacção, apenas com a comida andava esquisita.
Mas a sua morte foi muito inesperada e o Vet. acredita que lhe possa ter dado alguma coisa de coração.
Quanto aos resultados das análises, acabámos por não os ter, porque o Vet. anulou o pedido, para não termos que pagar mais (devido à conta que já lá temos)... E, sinceramente, também, já não valia a pena.
Bjs

Alexa disse...

Iolanda: Cada pessoa tem a sua própria maneira de fazer o luto, seja de humanos ou de animais!...
Muito obrigada.
Bjs

alex disse...

Como dizem, viveu os últimos tempos e morreu quntinha e com carinho. E isso, acho, faz toda a diferença.